Apresentação

Sindicato

Apresentação

O primeiro grande evento que plantou a semente do associativismo empresarial no Estado foi o 1o Congresso Agrícola, Comercial e Industrial de Minas Gerais, realizado em 1903. Muitas associações ecléticas foram fundadas em diversas cidades do Estado, entre as quais se destacava a Associação Comercial de Minas, que assumiu papel de liderança, como se comprovou nos Congressos de 1923 e 1928.
O Governo Vargas, oriundo da Revolução de 1930, logo partiu para o corporativismo, pondo freio às atividades autônomas das associações e sindicatos empresariais que iam surgindo.

Foi editado em 1o de março de 1931, o Decreto nº 19.790, exigindo o reconhecimento do Ministério do Trabalho, Indústrias e Comércio, para que pudessem funcionar as associações e sindicatos. Apesar da forte base autoritária que cerceava a liberdade sindical, o Ministro do Trabalho, Lindolfo Collor, procurou obter o consenso na discussão de várias questões sociais, em vias de serem regulamentadas pelo Governo.

Com o Estado Novo, novas medidas consolidaram o corporativismo, sendo que em 1939, o decreto-lei nº 1.402, regulamentou, em definitivo, o sistema sindical, através de normas rígidas que, incorporadas à Consolidação das Leis do Trabalho, de 1943, vigoraram com pequenas alterações, até que a Constituição de 1988, derrogou grande parte das velhas regras, consagrando o princípio da liberdade sindical, embora mantendo o regime da unicidade sindical.

Foi dentro da rigidez do Decreto-lei 1.402 que os industriais têxteis do Estado constituíram a Associação Profissional, primeira etapa para o reconhecimento e in vestidura sindical da entidade que representa a categoria econômica das indústrias de fiação e tecelagem.

No dia 30 de dezembro de 1942, atendendo ao requerimento do "Sindicato dos Industriais de Tecidos", com sede em Belo Horizonte, o Ministro de Estado dos Negócios do Trabalho, Indústria e Comércio aprovou os respectivos estatutos, reconhecendo a entidade sob a denominação de SINDICATO DAS INDÚSTRIAS DE FIAÇÃO E TECELAGEM , NO ESTADO DE MIN AS GERAIS, "como sindicato representativo das indústrias das categorias econômicas das indústrias de fiação e tecelagem na base territorial inter-municipal de todo o Estado de Min as Gerais, com exceção do Município de Juiz de Fora". É o que está expresso na "Carta Sindical" então expedida, a qual foi registrada no Livro11, fls. 4, do Departamento Nacional do Trabalho.

O Sindicato, então presidido pelo industrial Geraldo Magalhães Mascarenhas, instalou sua sede própria, em setembro de 1954, no 11º andar do Edifício Acaiaca, no coração da Capital do Estado.

Presidiram o Sindicato, desde sua constituição, os industriais ANTÔNIO ALVES BARBOSA MELO (1944 a 1952), IGNÁCIO DUARTE CARNEIRO (1952 a 1954), GERALDO MAGALHÃES MASCARENHAS (1954 a 1956), CÉSAR GONÇALVES DE SOUSA (1956 a 1958), LUIZ ANTÔNIO GONZAGA (1958 a 1960), CAETANO NASCIMENTO MASCARENHAS (1960 a 1962), ARISTIDES MÁRIO RACHE FERREIRA (1962 a 1966), CLÓVIS GONÇALVES DE SOUSA (1966 a 1989), JOSÉ ALENCAR GOMES DA SILVA (1989 a 1995), SÍLVIO DINIZ FERREIRA (1995 a 1998), MIGUEL AUGUSTO GONÇALVES DE SOUZA (1998 a 2001) e ADELMO PÉRCOPE GONÇALVES (2001 a 2004).

Em julho de 2004, assumiu a Presidência o industrial AGUINALDO DINIZ FILHO, reeleito para o período de 2007 a 2010. Mas, em razão da sua eleição para a Presidência da ABIT, com posse prevista para janeiro de 2008, transmitiu o cargo, em 6 de dezembro de 2007, para o Vice-Presidente Adelmo Pércope Gonçalves, que cumprirá o restante do mandato.

O SIFT-MG participa, também, da ABIT, do CETIQT - CENTRO DE TECNOLOGIA DA INDÚSTRIA QUÍMICA E TÊXTIL - SENAI/CNI, e da CÂMARA DA INDÚSTRIA DA MODA, da FIEMG, mantendo parceria permanente com o INDI - INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL DE MINAS GERAIS, que promove levantamentos e estudos sobre a indústria têxtil mineira.