Notícias

Lucro da Cedro tem crscimento de 23,4%

Data: 07/11/2011 - 07/11/2011
Lucro da Cedro tem crescimento de 23,4%
Vendas da empresa registram alta.
RAFAEL TOMAZ.

A Companhia de Fiação e Tecidos Cedro e Cachoeira (Cedro Têxtil), sediada em Belo Horizonte, anunciou na sexta-feira lucro líqüido de R$ 8,886 milhões no terceiro trimestre. O resultado representa incremento de 23,4% na comparação com o mesmo intervalo do ano passado, quando alcançou R$ 7,201 milhões. Apesar de o setor verificar um cenário negativo, investimentos realizados pela companhia fomentaram os resultados.

Mesmo com o crescimento no trimestre, no acumulado dos primeiros nove meses a empresa verificou redução de 8,8% no lucro líqüido em relação ao mesmo período de 2010. Entre janeiro e setembro, o resultado alcançou R$ 19,585 milhões, ante R$ 21,470 milhões no ano passado.

O presidente da companhia e presidente da Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção (Abit), Aguinaldo Diniz Filho, explicou que a retração verificada no período se deu devido a despesas não recorrentes. No segundo trimestre houve o lançamento de R$ 5,6 milhões referentes ao Programa de Recuperação Fiscal (Refis).

A empresa também foi impactada pela variação cambial no terceiro trimestre. Entre o segundo e o terceiro trimestres houve elevação de 18,8% na cotação do dólar que, aplicado aos valores a receber e a pagar, produziram um efeito líqüido negativo de R$ 3,3 milhões.

Por outro lado, a receita líquida de vendas da Cedro cresceu 16,4% nos primeiros nove meses deste ano, ante o acumulado até setembro de 2010. O resultado passou de R$ 363,9 milhões para R$ 423,8 milhões no atual exercício.

Nos últimos 12 meses a receita de vendas da companhia somou R$ 653,8 milhões, o que representa incremento de 20,2% na comparação com o período imediatamente anterior.

O Ebitda (lucro antes dos juros, impostos e amortizações) atingiu R$ 57,211 milhões nos primeiros nove meses de 2011, contra R$ 50,080 milhões entre janeiro e setembro do ano passado, alta de 14,2%.

Entre os fatores que impulsionaram os negócios da Cedro, conforme Diniz Filho, estão os investimentos realizados pela companhia. Em 2011, os aportes somaram R$ 35,2 milhões. As inversões foram feitas em produtividade, recursos humanos, informatização, melhoria de qualidade, redução de custos e em flexibilização.

De acordo com o presidente da companhia, estes investimentos permitiram à Cedro ampliar o seu mix de produtos. Atualmente, a companhia produz índigo, brim profissional, brim moda, além de tecido estampado. "A empresa tem agora quatro direções para atingir o mercado", disse.

Segundo ele, a companhia está entrando fortemente no mercado de estampados, além de realizar investimentos no segmento de índigo. No final de outubro, por exemplo, entrou em operação a sexta máquina de índigo.

A empresa também está investindo na formação de pessoal, através de uma parceria com a Fundação Dom Cabral (FDC), e na redução dos impactos ambientais das operações.

Diniz Filho explicou que a Cedro está preparando para a sua fábrica de índigo, instalada em Pirapora (Norte de Minas), uma das mais modernas instalações de tratamento de afluentes existentes no Brasil. "Nós temos a condição de despejar no rio São Francisco uma água tão limpa quanto ela é captada", disse.

Além disso, a Cedro praticamente zerou neste ano o consumo de combustíveis não-renováveis, ou seja, óleo combustível e gás. Conforme ele, está investindo em fontes a vapor e biomassa. Com os aportes, houve uma redução de 60 toneladas de CO2 despejadas pela empresa na atmosfera.

Após ter investido entre 2009 e 2011 aproximadamente R$ 95 milhões, a Cedro deverá reduzir o ritmo de inversões. Conforme o presidente da companhia, em meio ao cenário econômico adverso a empresa deverá aproveitar os aportes já feitos, uma vez que conta com equipamentos modernos que garantem a produtividade nos próximos anos. "Temos condições técnicas de segurar os investimentos", disse.

A Cedro possui as unidades de Sete Lagoas e Caetanópolis, ambas na região Central do Estado, além das duas plantas em Pirapora, na região Norte de Minas. A capacidade instalada da empresa é de 3,5 milhões de toneladas/mês.

Fonte: Diário do Comércio